Friday, April 27, 2012

0 COMO INVESTIR NO TESOURO DIRETO - VALOR MÍNIMO E RENDIMENTOS

Aprenda como investir seu dinheiro no Tesouro Direto - Lançado em 2002, o Tesouro Direto é um programa que possibilita a pessoas físicas, com recursos disponíveis entre R$ 100 e R$ 400 mil, adquirir títulos públicos pela internet. O programa foi criado pelo Tesouro Nacional para democratizar e facilitar o acesso a investimentos em títulos federais e às informações sobre a administração e a estrutura da dívida pública brasileira.

Caracterizado como uma aplicação financeira em renda fixa, o Tesouro Direto vem ganhando cada vez mais adeptos. Em março, mais de 5 mil novos participantes se cadastraram no site do Tesouro Nacional. Com isso, o número total de investidores no fim do mês atingiu a marca de 292 926, representando um crescimento de 21% nos últimos doze meses.

O balanço de março também mostrou que a utilização do programa foi feita, predominantemente, por pequenos investidores, com operações até R$ 5 mil, cuja participação concentrou 54,5% do volume aplicado no mês. Apesar disso, o valor médio por operação, em fevereiro, foi de R$19 mil.

Redução de taxas é vantajosa - Indicada por especialistas a investidores com o perfil mais conservador, que já estão acostumados a investir em renda fixa ou para aqueles que estão começando a se aventurar no mercado financeiro, a aplicação no Tesouro Direto se destaca pela praticidade. O próprio investidor pode gerenciá-la via internet, direto no site do programa de venda de títulos, por meio de uma instituição financeira credenciada, ou então, no site dos agentes integrados, grupo formado por alguns bancos e corretoras que têm sistemas que fazem uma interface com o sistema do Tesouro Direto. Nesses casos, o investidor cadastrado pode administrar suas aplicações diretamente no site do agente de custódia integrado.

O Tesouro Direto oferece títulos prefixados, pós-fixados e que acompanham a inflação. Os principais títulos disponíveis para compra são as Notas do Tesouro Nacional letra B (NTN-B), que têm taxa prefixada e acompanham o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), as Letras Financeiras do Tesouro (LFT), indexadas à taxa Selic, e as prefixadas Letras do Tesouro Nacional (LTN) e Notas do Tesouro Nacional letra F (NTN-F).

Segundo o professor especialista em mercado financeiro que ministra cursos na Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), Mário Amigo, as principais vantagens do Tesouro Direto são o baixo custo, se comparados a outros tipos de investimento, e a possibilidade do pequeno investidor administrar diretamente suas aplicações. “É cobrada uma taxa de 0,35%, paga à Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC) e uma pequena taxa na aquisição do papel”, diz. Em alguns casos, também deve-se contabilizar o custo de uma taxa de administração que, no momento, varia entre 0,05% e 1% ao ano, paga a instituição financeira escolhida. Há também bancos e corretoras que não cobram pelo serviço. Veja a lista completa de instituições.

Em termos de tributação, explica o professor, os impostos do Tesouro Direto são os mesmos que incidem sobre as operações de renda fixa: imposto de renda, com taxas de 22,5%, 20%, 17,5% e 15%, dependendo do prazo investido, e também Imposto sobre Operação Financeira (IOF) de 1% ao dia, para investimentos com prazo inferior a 30 dias.

Pontos de atenção - Mesmo com a aparente simplicidade do programa, Mário Amigo, da Fipecafi, diz que futuros compradores de papéis do governo devem se preocupar em ter uma base em economia e entender a nomenclatura utilizada nas operações. “Para adquirir títulos, é preciso ter uma base de finanças, ou seja, entender como funciona esse mercado e o que será investido. Não é preciso trabalhar ou ser formado em finanças, o importante é se informar”, diz ele.

Como títulos do governo são considerados de risco muito baixo pelo mercado, a modalidade é considerada a mais segura de aplicação em renda fixa. Os valores podem ser resgatados antes do vencimento, definido no ato da compra, às quartas-feiras. Nesse dia, são oferecidos novos títulos e o Tesouro garante a recompra dos papéis, pelo valor de mercado. Apesar da segurança oferecida pelo governo, o professor Mario Amigo analisa que a recompra feita só às quartas-feiras pode ser considerada uma das desvantagens da aplicação, pois resulta em menos flexibilidade para o investidor.

Chegando lá – No site do Tesouro Direto, há um simulador que ajuda a fazer uma previsão de quanto investir em títulos públicos, por mês, para realizar um sonho como a casa própria, uma viagem ou o financiamento dos estudos. A ferramenta bem-humorada também oferece a opção ‘ser um milionário’.

O simulador usa títulos, taxas de compra e vencimentos reais, baseando-se no fechamento do dia anterior ao da simulação. Há opções no curto, médio e longo prazo, com a possibilidade de iniciar o cálculo partindo de uma aplicação fixa por mês ou considerando o valor final do investimento. O próximo passo é selecionar o prazo e o título do Tesouro Direto. O resultado, exibido na forma de gráfico, é comparado ao mesmo investimento simulando o investimento na caderneta de poupança, que é a aplicação financeira mais popular do Brasil.


Descubra quanto tempo e dinheiro você precisa investir em títulos públicos para alcançar seus objetivos. 

About the Author

Author info. Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these with your own descriptions, if you like it Subscribe to Our Feed and Follow Me on Twitter

    Other Recommended Posts

  • Dicas, Dinheiro, Ganhe Dinheiro, Utilidades

0 comments:

Post a Comment

 
back to top //PART 2