Monday, May 14, 2012

0 Entrevista Carolina Dieckmann Jornal Nacional 14/05/2012

Nesta segunda-feira (14), Carolina Dieckmann deu uma entrevista exclusiva ao Jornal Nacional. Foi a primeira vez que ela tratou sobre o assunto desde que fez a denúncia à polícia.
Patrícia Poeta encontrou uma Carolina mais tranquila, na tarde desta segunda-feira (14), no Rio. Ela estava aliviada, depois de dias de exposição da intimidade, constrangimento e chantagens.

JN: A polícia ter chegado aos suspeitos te tranquiliza? Dá certo alívio?
Carolina Dieckmann: Acho que agora eu vou poder voltar a viver, porque minha vida estava suspensa. Enquanto não aparecessem essas pessoas, acho que não seria possível ficar totalmente tranquila.
JN: Você chegou a pensar em pagar e aceitar o que era pedido?
Carolina Dieckmann: Não, nunca.
Foram três semanas desde que o secretário de Carolina recebeu o primeiro telefonema do chantagista. Até que veio a notícia.
JN: Você ficou sabendo por quem que as suas fotos já estavam na internet?
Carolina Dieckmann: Pelo Alex, meu empresário. Eu estava em um ensaio do filme que eu vou fazer, em São Paulo. Aí eu peguei meu celular na hora de ir embora e tinha escrito: “As fotos vazaram, me liga urgente”. Liguei para a Ana, que trabalha na minha casa, e falei: “Desliga a internet”. Davi, meu filho de 13 anos, estava em casa. Tinha muito medo de ele ver aquelas fotos e não estar lá para explicar. Minha preocupação era só falar para desligar a internet, que eu não queria que ele tivesse acesso àquilo. Fui para a casa de uma amiga, que me deu um calmante. Fiquei muito nervosa de estar fora de casa, de não estar perto da minha família.
JN: Como isso afetou a sua família?
Carolina Dieckmann: Nunca tirei foto nua, e isso não é uma questão só moral. Eu poderia fazer um filme nua, uma novela em que aparecesse alguma coisa, mas a coisa de me expor nua tem muito a ver com ter um filho de 13 anos. Sempre botei isso abertamente. Nessa hora em que tudo isso aconteceu, ficava pensando: “O que é pior, uma mãe nua ou que aceita chantagem?”.
JN: Como ele reagiu a toda essa história?
Carolina Dieckmann: Foi muito maduro. Ele falou o tempo inteiro que era uma coisa minha, que tinha a ver com o trabalho que escolhi, minha fama, o próprio interesse das pessoas por isso. E que estava tudo certo, que se alguém perguntasse alguma coisa, ele diria: “É coisa da minha mãe.”
JN: Ele te deu força nessa hora?
Carolina Dieckmann: Deu e acho que ele está orgulhoso de mim.
JN: Tiago, seu marido, acompanhou tudo muito de perto. Foi seu parceiro.
Carolina Dieckmann: Foi muito bom para mim. Eu me lembro que estava chorando muito no carro. Eu falava: “Tiago, e agora?”. Ele: “Amor, calma. Ninguém morreu, ninguém tem câncer terminal. Você é linda, as fotos eram para mim. Está tudo certo”. Tinha todo um turbilhão de coisas acontecendo. Não era só o Tiago. Era eu, era meu filho, minha carreira, minha imagem e minha intimidade. E o mais louco é que não fiz nada de errado.
JN: Qual foi a sensação de ver essas fotos sendo roubadas e publicadas em sites de pornografia fora do Brasil?
Carolina Dieckmann: Pior para mim foi ter sido roubada desse jeito. A pessoa ter tentado tirar de dinheiro de mim com uma informação sobre a qual ela não tem direito. Não é dele, é minha.
JN: Você vê diferença entre o crime digital do qual você foi vítima e um crime convencional?
Carolina Dieckmann: Não. É uma sensação de faca no peito.
JN: Que tipo de punição você acha que essas pessoas devem ter? Que roubaram e divulgaram suas fotos?
Carolina Dieckmann: Não sei.
JN: O que você espera?
Carolina Dieckmann: Justiça. Quero o que for justo.

About the Author

Author info. Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these with your own descriptions, if you like it Subscribe to Our Feed and Follow Me on Twitter

    Other Recommended Posts

  • Atualidades, Noticias

0 comments:

Post a Comment

 
back to top //PART 2